English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

.: Um Gole De Ideias :. -> Dois anos no ar!

.: Alexandre Lopes :.
.: Fabrício Pacheco :.
.: Gleidson Quintella :.
.: Jonatan Bandeira :.
.: Lucas Ragazzi :.
Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 20 de junho de 2010

O CLIPE DA INVISIBILIDADE


Com apenas 15 anos, John já tem muitos problemas para serem enfrentados. Possui dificuldade para se relacionar com as pessoas: muitas discussões familiares, namorofobia e o isolamento social são uns de seus estorvos. Para falar a verdade, o maior problema da sua vida foi não ter problema algum. Seus pais sempre o bajulavam, proporcionando uma vida acomodada, seguida de muitas reclamações e agressões verbais.


Foi aos 12 anos que John ganhou de aniversário o seu primeiro diagnóstico, o de síndrome do pânico. Um presente inesquecível! Foram muitos fármacos administrados, muitas consultas psicológicas, muitos conselhos tortos de familiares... Em fim, nada foi resolvido.


Assistindo um clássico do cinema, O Homem Invisível, John viu uma situação para o fim de seus problemas. O pequeno psiquiátrico lembrou-se de um clipe mágico que ganhara de sua professora, antes de um seminário. Ela o aconselhou: “deixe o clipe no bolso, ele tem poderes surpreendentes. Sua magia pode transformar qualquer dificuldade numa habilidade incondicional. Para tanto, basta acreditar. Durante sua apresentação oral, deixe-o no seu bolso e o aperte com força. Isso ligará o botão – o efeito gatilho. Sem mais delongas, apresente-se e veja você mesmo”.


Pois funcionou. John tirou uma boa nota no seu seminário de ciências e foi aplaudido por seus companheiros de classe. Desde então, ele havia guardado o clipe mágico no seu quarto, dentro de uma redoma de vidro, esperando ocasiões especiais de uso. Mesmo em situações críticas, ele não mexia no clipe, pensando que poderia exaurir as suas energias.


Anos depois... Chegou a hora de utilizá-lo novamente, pois o rapaz se apaixonou por uma amiga de escola no primeiro dia de aula. “Sim, mas qual o problema”? – o leitor se pergunta. O grande problema é que essa talvez seria a única vez que ele pisaria na escola naquele ano.


Após sentir que as pessoas estavam o devorando com os olhos, começou a ficar nauseado, com a visão embaraçada... Logo, desmaiou. Desde então, ele não participa mais presencialmente das suas aulas. Contudo, a escola entrou em acordo com seus pais e os médicos: Jonh estudava em casa, posteriormente realizava avaliações mensais na diretoria da escola, isso acompanhado pelo zelador. John precisava muito ver aquela garota, precisava dizer o que sentia por ela. E só poderia ser naquele local, na temida escola.


Depois de meses do incidente, o menino do pânico retornou à escola num estado não muito comum: estava invisível. Quando adentrou os portões da escola, todos pararam espantados por avistarem John desfilando de chinelos e cueca. Seus amigos sem saber como agir, apenas ficaram indiferentes: fingiram que ele não estava ali. Apenas cochichavam: “Olha lá o maluco”! “Que ridículo”! “Ele quer aparecer”! ...E ele caminhou até a sua amada que, por sua vez, ficou estática e ruborizada. O menino sussurrou nos seus ouvidos “eu te amo”, deu-lhe um beijo nos lábios e foi embora, como se nada tivesse acontecido.


“Funcionou! O clipe mágico me deu a invisibilidade” – disse Jonh euforicamente!


***


Alguns dias depois no Jornal do Gole:


JOVEM É MORTO POR SEGURANÇA DE BANCO


Jovem de 15 anos adentrou a agência bancária, portando óculos escuros e mochila, numa suposta tentativa de assalto ao Banco Central do Gole. A assessoria de imprensa afirmou que o menino fingiu não ouvir as solicitações do segurança, sendo bloqueado na porta giratória, por conseguinte destravada: “Tira a mão do bolso! Deixa-me ver a sua mochila, menino”! – relatou o segurança. O jovem inesperadamente teria reagido sacando o que poderia ser uma arma. O segurança só não imaginava que o menino sacaria um clipe de papel.


O estudante foi morto com três tiros. Tal acontecimento causou revolta a cidade. A mãe do jovem relatou que ele sofria de alguns problemas psicológicos, que ultimamente mantinha alguns rituais com um clipe e que apresentava comportamentos estranhos relacionados à invisibilidade.

3 comentários:

  1. Eu fiquei pasmo! Quase que em luto por causa de um moleque que pouco sei de sua história. Sinal de um conto bem contado... Parabéns ao ficionista em questão!

    BRAVO!

    ResponderExcluir
  2. Nossa amigo, me apaixonei pelo texto, uma obra prima, eu fiquei até muito comovido pela situação, foi contado de uma forma bonita , revoltante e trágica.

    Eu acho que também vou querer um clip desse,rsrs... mas vou tomar muito cuidado ao entra em um banco,rs

    Um gole de Prata que vai se difundindo e se torna transparente como água!

    ResponderExcluir
  3. Tenho pena quando os excêntricos sempre morrer de forma trágica. Não foi justo, sabia! É sempre assim: nerds sofrem; excêntricos, morrem. Mudem esse final, pois eu não sei qual será meu futuro. Bem, ainda bem que eu tenho meu "PEN-DRIVER" da invisibilidade sempre comigo... Bom texto, Jonatan!

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário (dose)!

Related Posts with Thumbnails