English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

.: Um Gole De Ideias :. -> Dois anos no ar!

.: Alexandre Lopes :.
.: Fabrício Pacheco :.
.: Gleidson Quintella :.
.: Jonatan Bandeira :.
.: Lucas Ragazzi :.
Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 15 de maio de 2010

O MARSELHÊS VOADOR

Muitos sonham em visitar a minha cidade natal, no entanto, eu sonho justamente por estar nela. Já diz o ditado: um marselhês sonha por mil. Não sei se sonhamos tanto ou se apenas lembramos mais deles do que os outros: ultimamente a Europa não tem o direito de sonhar. Ou, talvez, seria porque colhemos os frutos de uma cidade de paz, da cultura e da arte?


Meu pai sempre me contava tantas histórias antes de dormir... e eu sempre as continuava no meu mundo dos sonhos. Era um mundo onde todos voavam, mas não tinham asas e nem se pareciam com pássaros. Não tinham super-poderes, tampouco eram robôs de tecnologia avançada. Apenas voavam... digo, apenas voávamos.


Incrível! Lembro-me até do meu primeiro voo, de tão real. Inicialmente planei sobre o Velho Porto de Marselha, depois de muitas tentativas alcei voo sobre as mais belas colinas acompanhado da Mamãe. Fiquei orgulhoso por poder fazer aquele feito tão gracioso, tão humanamente impossível, contudo, no meu mundo voar era a coisa mais natural. Excetuando alguns que nasciam aleijados: não podiam voar, pois não sabiam sonhar. Mas eram a minoria, poucos eram limitados ao solo, geralmente os filhos de super-sonhadores.


Os super-sonhadores, no mundo normal, seriam como super-dotados da inteligência onírica. Eles possuíam tantas fantasias, desfrutavam de tantos devaneios que os seus filhos não tinham mais sobre o que e nem porque sonhar, apesar de nascerem num berço privilegiado. A moeda desse nosso mundo é o sonho: quanto mais sonhos, mais valor, poder e fama a pessoa adquiria. O preço do sucesso paradoxalmente seria a provável deficiência do seu filho. Estranho... isso trazia certo equilíbrio àquele mundo, pois as classes dominantes não poderiam passar seu legado para seus filhos.


O meu sonho mais marcante foi o da minha morte. Queria chegar o mais alto possível, tocar as estrelas e quem sabe chegar próximo ao sol. Desobedeci aos conselhos dos meus pais que sempre falavam que não deveríamos sonhar tanto, nem querer chega tão alto. Mas eu não os ouvia, falei que num mundo de sonhos tudo seria possível e que eu queria muitos sonhos, principalmente esse de ultrapassar os limites da estratosfera. Inocente, nem sabia que se eu possuía a habilidade de sonhar foi porque os meus pais me permitiram: o sonho de ter um filho saudável ultrapassava quaisquer desejos pretensiosos. Sem medir as consequências, fui ao encontro da estrela mais próxima, entretanto, antes de sair da terra, desmaiei com o ar rarefeito e caí como uma bala no solo. No final, eu assolei os meus queridos pais e eles nunca mais tiveram sonho algum.


Em fim, fiquei imensamente traumatizado e com um imenso remorso desse acontecimento fúnebre. Acho que nenhum marselhês nunca passou por tal sufoco, nem o Conde de Monte Cristo. Desde então, mesmo com os meus inúmeros sonhos, nunca mais me vi voando em nenhum deles. Melhor deixar tudo como está e não mais persistir nessa habilidade não humana; melhor esquecer os céus e conformar-me com a engenharia submarina; antes que os sonhos desse pobre marselhês morram de insônia.

9 comentários:

  1. Não... não!!! (essa foi a minha reação ao ler o último e trágico parágrafo) Mas independente da minha vontade de verter o texto em fantasia pura, esse último parágrafo trouxe a fantasia à realidade... acho até que posso voar! rs...

    Belo, instigante e fantástico!

    Abraço!

    (acho que você tá retomando a credibilidade do seu senso estético! rs)

    ResponderExcluir
  2. Hehe... Ana Cláudia na área comentando... Que bom! Creio que será de muito proveito os GOLES, já que eles são QUÍMICA pura: alucinógenos e viciantes... rs

    ResponderExcluir
  3. Fabrício, muito motivador os seus elogios e o seu adentramento ao conto. Fantasia... até nela o realismo se faz presente! rs

    Abç!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Vivi... Lembrei de vc... por causa do menininho da imagem que me recordou o Harry... rs E claro, o seu gosto por fantasias.

    Beijão!!!

    Volte sempre... essa bebida é liberada!!!

    ResponderExcluir
  5. pelo visto as histórias do seu pai,surtiram bons efeitos em vc!
    =]

    http://nikomoska.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. VejaBlog
    Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil!
    http://www.vejablog.com.br

    Parabéns pelo seu Blog!!!

    Você está fazendo parte da maior e melhor
    seleção de Blogs/Sites do País!!!
    - Só Sites e Blogs Premiados -
    Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
    os melhores e mais prestigiados Blogs/Sites do Brasil!

    O seu link encontra-se no item: Blog

    http://www.vejablog.com.br/blog

    - Os links encontram-se rigorosamente
    em ordem alfabética -

    Pegue nosso selo em:
    http://www.vejablog.com.br/selo


    Um forte abraço,
    Dário Dutra

    http://www.vejablog.com.br
    ....................................................................

    ResponderExcluir
  7. Dário, muito obrigado por ter nos selecionado... Espero que tenha gostado dos nossos GOLES.

    Um grande abraço e sucesso para vc!!!

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário (dose)!

Related Posts with Thumbnails