English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

.: Um Gole De Ideias :. -> Dois anos no ar!

.: Alexandre Lopes :.
.: Fabrício Pacheco :.
.: Gleidson Quintella :.
.: Jonatan Bandeira :.
.: Lucas Ragazzi :.
Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 28 de março de 2010

A NECESSIDADE FEZ UM POETA


Dentre prosas velejo por mares tão distantes, tão abstratos e fantasiosos quanto qualquer insensatez do LSD ou chá do Santo Daime. Prosear deixa-me próximo de uma liberdade imensurável, em contraposição aos atraentes braços fúlgidos, entretanto limitantes da poética. Não há nada melhor do que jogarmos conversa fora com nós mesmos, escrevermos o livre pensar sem redomas de expressão!


A poesia recebe muitos gracejos, ela é meticulosamente delineada, sendo sempre vangloriada por isso. Ela é até um tanto intocável devido isso: obra do divino saber, condescendente às emoções.


Eu caminho na solidão, sou apenas acompanhado pela prosa. Gosto dela por ser intempestiva, pois não preciso de motivos e nem que esteja em momento propício à produção: amores e dores não alimentam minhas estrofes, apesar de preencherem muitos versos insinceros. Melhor confessar, leitor, que minhas jornadas em prosas não são tão solitárias: logo surgem diversos personagens que retratam os mais diversificados “eus” do deus que os redigiram. E monotonia não há: eu-líricos de todas as formas chegam a travestirrm o gênero do narrador-personagem ou até mesmo personificarem um objeto inanimado, como a minha caneta (a Caneta). A cada prosa um novo mundo nasce. A cada mundo criado e compartilhado através da leitura, novas ideias fervilham para o nascimento de outras obras semi-divinas.


Eu sou assim: universo de prosa. Ainda assim, não me distancio da estética, percorrendo numa complexa rede de palavras que provocarão êxtase, mas que só farão sentido num generoso contexto. Eu sou prosa desde os tempos da Caneta Bic, hoje quase extinta por causa dos teclados afoitos. Por amores, porém, tive que me aventurar na poesia, desbravando o léxico para encaixar as peças desse jogo fugaz: as sílabas métricas e as rimas. Eu não era muito feliz! Olha uma das que eu escrevi ainda no colegial:


“Foi paixão o que o meu corpo sentiu

quando pouco estive em sua presença.

ou apenas uma ilusão tangente

à uma inocência repleta de esperança?


Queria ao menos sua boca tocar,

tirar a prova real pelo físico,

saber pelo teu gosto o que é se apaixonar

ou apenas alimentar um coração fraco.”


Nossa! Esse poema foi desenterrado, creio ser melhor não terminá-lo? “Prova real, Tangente”... Talvez se fosse a professora de matemática quem tivesse iludido a minha inocência repleta de esperança, talvez até fosse um poema inteligente. Apesar de não ter valor estético essas grandes frases apenas fragmentadas. O fato é: acho que eu nem sabia o que significava tangente, apesar de ter se encaixado tão bem. E talvez eu nunca tivesse “esperança” alguma, se esta palavra cheia de significado não rimasse com “presença”. Percebe o engessar da minha poesia? Você acaba navegando para um discurso que não te pertence e naufraga em emoções um tanto mais aquém ou além da sua real expressão. Quantas pessoas já não recitaram “amar” só porque esta palavra é tão fácil de rimar?


Você deve está pensando agora: “aonde ele quer chegar com isso?” Devo não mais prolongar esse texto e logo me explicar.


Simplesmente o tempo foi passando... Tentava através da poesia conquistar ou manter meus relacionamentos. Amores vários nasceram forçados pela minha rima poética, mas logo se acabavam, deste modo mais versos deveriam ser criados para novas conquintas. Foram muitas conquistas! Claro, que muito menos do que tentativas amorosas falhas. E foi assim que a necessidade fez-me poeta. Tudo bem que eu era um free-lancer de mim mesmo: escrevia para meu alterego conquistar paixões. Mas, não é que juntando todos os meus poemas eles renderiam um livro (mais pela quantidade do que pela qualidade)? Uma editora aceitou o meu projeto “Ensaio de um poeta vivo”, antes de aceitarem as minhas prosas cheias de liberdade de expressão e conteúdo.


Enfim, veio a publicação do meu livro de poesia, diria o meu primeiro ensaio como escritor profissional, contudo não sabia se alguém, além da minha mãe e minhas tias solteironas, o compraria. Mas compraram... e muito! E hoje em dia a poesia faz parte do meu trabalho: com as vendas a editora me pressionava para novas publicações e começaram investir no meu nome. Queria ter dado certo com os meus romances, porém a editora ainda não acreditava neles e falavam: “vamos dar um tempo pro seu nome se estabelecer”. Claro, chegaria um determinado momento que as pessoas comprariam até literatura de cordel escrita no papel higiênico de um renomado - e essa sempre foi a minha grande crítica.


Hoje conquistei a almejada fama. Sou convidado para participar de muitos eventos sociais e blá. O lado bom disso é que ganho um bom dinheiro, apesar do meu engendramento literário. Mais sabe o que é o mais legal disso tudo? É que os poemas que antes foram fracasso nas minhas conquistas (a grande maioria delas), hoje conquistam inúmeras pessoas.

4 comentários:

  1. Ah... hoje conquistam muitas pessoas porque você é famoso mesmo! rs... Falando assim tive uma ligeira impressão que já li mesmo uma de suas poesias enquanto caçava no google um texto novo pro meu "quem sou eu" do orkut!

    Sabe que fiquei curioso... no próximo post você bem que poderia ter a coragem de me mostrar um poesia recente e estimular comentários desse público tão afiado aqui do blog!

    Fica o desafio...
    ...e eu também não quero saber da tua prosa!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Prosa, prosa! Poderosa, eu diria! Livros me produzem esse efeito, sabe?! E "Eu caminho na solidão, sou apenas acompanhado pela prosa", eu trocaria "prosa" por "ideia"! Nao é uma analogia ao blog, nao! Mas um fato de "prova real" de que não há melhores companhias que as ideias que perambulam os textos poéticos! Bom, Texto Jonatan...

    ResponderExcluir
  3. Tem muito intelectual que não consegue escrever nada de poesia ou romance!NADA!
    E não escrevem porque não sentem nada.Isso mesmo,são ocos.
    Conheço tanto operário,tanta gente que tem um vocabulário super limitado e que escrevem poesias lindas,profundas,ARREBATADORAS! E conseguem fazer isso porque são almas sensíveis,porque enxergam o mundo e as pessoas com um sublime olhar de namorado.Sim,são pessoas apaixonadas por tudo isso aqui,por esse mundão louco e seus povos.Gente assim geralmente é muito estranha,muito opaca;não brilham,mas a poesia brilha.
    Acho isso lindo,ARREBATADOR!



    Vejam,me vem agora na cabeça os versos do “poeta perfeito do samba” o grande Jorge Aragão :

    “Ser poeta não é
    Só passar pro papel
    Uma rima perfeita
    Ser poeta é um dom
    Concedido por Deus
    Não existe receita
    Quem merecer, nasce poeta
    E faz da vida eterna fonte de inspiração”

    ResponderExcluir
  4. Seu chato! rs
    Qual o seu problema com poemas, hein?
    Também os usei, frustradamente ao tentar minhas primeiras conquistas amorosas, mas já em minha época pré-adolescente, a "cafonice" de fazer um poema para alguém e mais ainda, ter a coragem de entregar a ela, era vista com desdém, motivo de chacota.
    Talvez a prosa seja realmente o melhor caminho a seguir, visto que não há limites para sua feitura, não há a obrigação de rimas muitas vezes ridículas, somente porque rimas dão a sonoridade perfeita ao poema.
    Ainda escrevo meus poemas, hoje, sem pretensão de usá-los como arma para atingir amores que são imunes à eles, mas para manter, em mim, a sensibilidade e talvez, a habilidade que eu tenha em escrever estas coisas chamadas poemas.

    Parabéns pelo texto, amigo!

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário (dose)!

Related Posts with Thumbnails