English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

.: Um Gole De Ideias :. -> Dois anos no ar!

.: Alexandre Lopes :.
.: Fabrício Pacheco :.
.: Gleidson Quintella :.
.: Jonatan Bandeira :.
.: Lucas Ragazzi :.
Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Último e-mail

Rio de Janeiro 31 de Maio de 2009


Querida,


É engraçado, mas ainda insisto em escrever e-mails em formato carta. (Acho que você se acostumou) Decidi escrever a você hoje, pois ficarei longe de ti por alguns dias... semanas talvez. Essa mensagem é esclarecedora e finalmente você saberá que trabalho me exigia tanto sacrifício.


Iniciei uma pesquisa há dois anos. Decidi, por questão de sigilo mesmo, dividir o trabalho em núcleos, laboratórios diferentes, de forma que mesmo eles (membros da equipe) não tivessem acesso ao todo da pesquisa. Desse modo, recebi ontem o último resultado... o laboratório da Europa finalizou o quebra-cabeça. Descobri uma combinação de fatores (simplificando linguagem para ser entendido) que elevará a ciência, podendo até chegar a cura de doenças incuráveis até então.


Eliza! sei que o material que carrego comigo agora é de valor inestimável e que outros laboratórios também se interessam e tentaram de algumas formas me sabotar. Por isso peço que mantenha este e-mail entre nós dois até que consiga resolver a papelada da patente. Confio em você!


Escrevo este e-mail daqui do aeroporto mesmo. Acabo de resolver tudo. Daqui a pouco embarco para Paris. Vai ser uma boa oportunidade para revisitar o meu francês que pensei ter aposentado. Quando me acomodar no hotel onde ficarei, lhe mando outro e-mail só pra confirmar que cheguei bem.


Enfim, gostaria de tê-la comigo. Tenho saudade! Penso sempre em você com uma estima incomparável. Eu te amo, muito! Quando retornar da Europa quero um jantar comemorativo. Podemos aproveitar e oficializar o noivado entre nossos amigos. Agora tenho que ir... já anunciaram meu voo.


Até a volta,


Beijos!


[Atenção passageiros, última chamada para o voo: AF 447]

14 comentários:

  1. Sem dúvida alguma, um dos melhores textos postados neste blog!
    Ótima narrativa, imaginei uma pessoa sentada em sua mala com um notebook no colo, escrevendo este e-mail com tanto carinho...
    Contudo, você foi um tanto maldoso, né?
    A pessoa que encontrara a cura para tantas doenças incuráveis até então, tinha que estar justo nesse voo?
    Deu-nos falsas esperanças, Fabrício!rs

    Excelente texto, amigo!
    10 com louvor! rs

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Fabricio sempre arranca aplausos dos meus mais profundos raciocinios. Otima narrativa.

    ResponderExcluir
  3. Olá, estava eu no blog de um amigo e o nome do seu blog me chamou atenção.
    quando entrei aqui, esse texto avassalador.
    fiquei sem palavras.
    é de uma beleza incomparável, indescritível.
    beijo grande.

    ResponderExcluir
  4. Nossa parece até a vida que eu, vc, todos os nossos amigos queremos levar indo para a Europa...rsrs...cenas de filmes extremamente perfeitas.
    Mas também parece uma história narrada por um daqueles passageiros do voo em rmo a Paris, que foi destroçado no arquipelago de Fernando de Noronha...uma despedida. Triste!!
    Lembrei até da música de Maria rita.
    Grande texto Artista.Bjus

    ResponderExcluir
  5. Ótimo texto! Mais um drama pro blog!!!
    Pq tantos sonhos tinham q ser destruídos?! Um noivado nao anunciado, a cura de doenças! Quem sabe esse cara não tinha como seu grande feito a descoberta da cura da aids?! Mas isso é outra história...
    Mtu triste, mas uma excelente narrativa!

    ResponderExcluir
  6. É engraçado ver as suposições...
    a cada leitor um novo texto. E é bem interessante também colher os elogios desse texto/gole que me diverti muito em escrever.

    Obrigado aos que bebem com a gente as ideias ofertadas! me sinto numa coletiva entre amigos! Isso também é legal...

    (vamos tentar uma intereção)

    Um abraço a todos!

    ResponderExcluir
  7. Ah... só mais uma coisa:

    Aimée Souto se referiu ao blog como se ele fosse meu. Somos cinco autores, minha cara! Você não perde por esperar os outros goles!

    Seja bem vinda!

    ResponderExcluir
  8. Adorei o Gole, pseudo-fictício... Um pouco de verdade nas nossas fantasias é sempre bem vinda. Eu adoooooooooro! E claro, vamos repeitar a obra, pq se limitar a fatos preexistentes dificulta muito mais o escritor. E os dados se encaixam perfeitamente. Isso vc fez muito bem!!!

    Tomara que tenha sido o norte-coreano, Agente Anti-EUA, que tenha morrido no voo. Ele não me engana com aquele "papo" de cura: sei sobre sua arma química e do segredo da vacina (antídoto).

    Ainda... Um gole nostálgico para todos que possuiam vínculos com os passageiros do 447.

    Porém... Um gole caótico! Puro veneno da natureza - humana: quem sabe os americanos não descobriram a ID do agente e resolveram apagar todas evidencias? Pena que desconheciam o antídoto! rs

    Um gole belo e trágico como o mar aonde se perderam as vítimas: lindas águas, ainda que estas sejam ferozes.


    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  9. "vamos tentar uma intereção" - disse o Fabrício.

    Ressalva: Fabrício nunca mesmo que entrarei numa inter-ereção com vc?! Tah dois?! Abusado! kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  10. "vamos tentar uma intereção" - disse o Fabrício.

    Ressalva: Fabrício nunca mesmo que entrarei numa inter-ereção com vc?! Tah doido?! Abusado! kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  11. Nossa! Como o Lucas disse, por que tinha de estar no voo alguem que poderia descobrir a cura para tantas doenças incuraveis? rs... Bom, mesmo tragigo! Um bom gole para que pensa em viajar para Paris, num desses avioes-carroças, rs! Mentira! Tomara que eles nao leiam isso. Seria tragico para mim tambem...

    Ate mais.

    ResponderExcluir
  12. texto digno de um dos melhores filmes de drama de Hollywood, o das melhores novelas de John Mac Donald.
    ao menos é uma história ficticia, porque de ser real, vc acabaria com todos nossos sonhos neste momento!¡

    ResponderExcluir
  13. Que triste! Como supracitado, porque alguém que tivesse descoberto algo tão importante para a Ciência, teria que estar nesse voo! Ai... Também imaginei o cara sentado com o notebook no colo... assim como o Lucas... rs Bem escrito... Bjs!

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário (dose)!

Related Posts with Thumbnails