English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

.: Um Gole De Ideias :. -> Dois anos no ar!

.: Alexandre Lopes :.
.: Fabrício Pacheco :.
.: Gleidson Quintella :.
.: Jonatan Bandeira :.
.: Lucas Ragazzi :.
Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Vinho - objeto de estudo [por quê não?]

Hoje eu queria saber de vinhos. Engraçado a força dessas coisas em mim. Às vezes tenho essa vontade de me expor, e justifico isso como se os goles mais literários não tivessem nada de mim. Voltando pro vinho, percorri uma prateleira que me mostrava umas garrafas do Chile, Portugal, Argentina... Brasil, claro; e tudo, todo aquele universo de possibilidade e descrições esmiuçadas em rótulos pequenos, se mostrava a mim como uma pequeníssima variação: tinto e branco.

Ora... se há tanta gente que sacode o liquido na taça gorda. Roda. Roda. Roda de novo e cheira. Sorri com aquele jeito meio de canto de boca que significa um aceno aos outros que conhecem o código e uma porta na cara dos que não fazem à mínima, como eu. Depois bebem... bebem nada, eles devolvem aquele líquido+saliva à taça. Minha mãe sempre dizia que isso era grotesco. Costumo ver isso com um certo asco, mas confesso que agora mora uma inveja aqui. Quero saber.

O Google me disse que há tipos de uvas. Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, Tannat, Bordô… isso só pra falar algumas das uvas tintas. Olha, pra quem tem dificuldade de diferenciar guaraná antártica do mil, acho que terei dificuldades. E eu logo desconfio com um daqueles pensamentos de gente ignorante do tipo: aposto que se vendarmos um somelier ele não diferencia um tinto de um branco. Mas logo me rendo de novo à ciência. E é nessas horas que tento buscar essas coisas na internet, às vezes me frustro como agora.

Tenho uma grande admiração por esses profissionais, mas não tentaria aprender nada em livros dessa vez. Este é um conhecimento que acho que não tenho por lá. Vou bebendo cada um que aparecer na minha frente. Talvez esta seja a vantagem da ignorância: não ser tão exigente. Qualquer Cantina da Serra me diverte. Peço a todos os somelirers(não sei fazer o plural desse troço) que lerem este texto, deixem uma dica nos comentários, ou então enviem um bom vinho pro meu endereço. Grato!

3 comentários:

  1. Cantina da Serra pelo menos nao é tão ruim quanto o Pinherense, pelo menos... Tá vendo, dá pra diferenciar sim!!!

    E olha, vai uma dica, em vez de tentar diferenciar as boas safras pelo gosto, tenta pelo cheiro, vc tem muiiito mais talento! rsrs


    P.S.: Blog abandonado!

    ResponderExcluir
  2. eu tb to na mesma q vc, fabricio.. gostaria de aprender essas coisas e tal.. mas cantina da serra nem a pau juvenal! hahahhaha

    uma vez, esses dias, vi o copolla no jô e eu nem sabia q ele fabrica vinho! tem uma linha dele mais popular q o jô disse q é boa (ele só nao disse o nome! aff.)

    vale a pena procurar? rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Diferenciar guaraná antartica do mil foi ótimo! Bom gole..

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário (dose)!

Related Posts with Thumbnails